A renúncia fiscal revertida em investimento

Artigo publicado no Jornal do Comércio em 16/04/2019, por Patricia Tarnoswki, especialista em COMEX na Pactum Consultoria Empresarial.

“A culpa é da guerra fiscal!” O jargão norteia, há algum tempo, as Secretarias de Fazenda dos Estados quando se trata de concessão de incentivos fiscais às empresas regionais. Entretanto, a realidade mudou e cabe às administrações estaduais reavaliar sua política de renúncia fiscal, uma vez que essa será revertida em investimento imediato. Desde janeiro está em vigência o Convênio nº 190 onde foram convalidados os incentivos fiscais concedidos pelos estados, amenizando inclusive os impasses fiscais nas relações interestaduais. O convênio permite aos estados da mesma região aderir ao formato de concessão de incentivos fiscais dos estados vizinhos, abrindo a oportunidade, no caso da Região Sul, que os estados do Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina, possam replicar entre si benefícios mais eficientes na atração de investimentos e repercussão em desenvolvimento social e econômico. A renúncia fiscal é legítima e constitucional.

O que os estados precisam perceber é que tais benefícios têm efeito “bumerangue”, pois retornam para o estado em infraestrutura, geração de emprego e renda, com consequente crescimento da indústria e comércio. Tomando como exemplo o segmento de importação de Santa Catarina, onde o chamado Tratamento Tributário Diferenciado – TTD, concedido pela Sefaz-SC, beneficia toda cadeia produtiva, que começa na própria empresa passa pelo o armazém logístico e finaliza no porto. Isso contribuiu para elevar Santa Catarina ao patamar de terceiro lugar de melhor desempenho e crescimento do País, com Produto Interno Bruto (PIB) de 2,47% em 2018 calculado pelo Banco Central e Fiesc. Os ganhos financeiros e fiscais para as empresas podem chegar até 30% sobre toda a operação de importação desde a nacionalização até a venda da mercadoria, proporcionando a formação de um preço de venda mais competitivo no mercado.

Compartilhar em
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print
Share on email

Conteúdos anteriores

Open chat